Prevenção de acidentes com escorpião – veja as dicas

Prevenção de acidentes com escorpiãoSaiba mais sobre a prevenção de acidentes com escorpião

As estatísticas mostram que houve um aumento no número de mortes por escorpião nos últimos dez anos, atingindo 164%. Enquanto em 2005 foram registrados 45 casos de morte por picada de escorpião, em 2015 esse número subiu para 119.

Em termos de letalidade, as cobras (24.467 acidentes e 107 mortes em 2015) ainda matam mais que os escorpiões (74.598 acidentes e 119 mortes em 2015); dados do Ministério da Saúde. A letalidade é calculada a partir dar da divisão do número de mortes pelo número de acidentes. O índice de letalidade dos escorpiões é de 0,1, enquanto das cobras é de 0,4.

A maioria dos acidentes envolve o contato com escorpião-amarelo, pois é a espécie mais encontrada nos centros urbanos em virtude do ambiente favorecer sua sobrevivência e reprodução.

A grande quantidade esconderijos e alimento farto (baratas), faz das cidades os locais preferidos pelos escorpiões, transformando-se num risco constante para os desavisados.

Já encontrei escorpiões sob computadores que ficavam em contato direto com o piso (isso no segundo andar) e, claro, já acompanhei acidente de trabalho envolvendo picada de escorpião, que aliás, é apenas uma das espécies sinantrópicas (para saber mais, baixe o manual de animais sinantrópicos)

ESPÉCIES

  • serrulatus (escorpião-amarelo): com ampla distribuição em todas as macrorregiões do país, exceto na região Norte e no estado do Rio Grande do Sul, representa a espécie de maior preocupação em função do maior potencial de gravidade do envenenamento e pela expansão em sua distribuição geográfica no país, facilitada por sua reprodução partenogenética e fácil adaptação ao meio urbano;
  • bahiensis (escorpião-marrom): encontrado na Bahia e regiões Centro-Oeste, Sudeste e Sul do Brasil;
  • stigmurus (escorpião-amarelo-do-nordeste): espécie mais comum do Nordeste, apresentando alguns registros nos estados do Paraná e Santa Catarina;
  • obscurus (escorpião-preto-da-amazônia): encontrado na região Norte e Mato Grosso.

MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS

De acordo com a distribuição das espécies de escorpiões encontradas no país, pode haver variação regional nas manifestações clínicas. Porém, de modo geral, o envenenamento escorpiônico determina alterações locais e sistêmicas, decorrentes da estimulação de terminações nervosas sensitivas, motoras e do sistema nervoso autônomo. A grande maioria dos acidentes é leve e o quadro local tem início precoce e duração limitada, no qual adultos apresentam dor imediata, eritema e edema leves, piloereção e sudorese localizadas, cujo tratamento é sintomático. Mioclonias e fasciculações são descritas em alguns acidentes por T. obscurus. Já crianças abaixo de 7 anos apresentam maior risco de alterações sistêmicas nas picadas por T. serrulatus, que podem levar a casos graves e requerem soroterapia específica em tempo adequado.

MEIOS DE PREVENÇÃO

  • Usar calçados e luvas nas atividades que possibilitem o risco de contato;
  • Tapar frestas e buracos em paredes, assoalhos, forros e rodapés;
  • Utilizar telas, vedantes ou sacos de areia em portas, janelas e ralos;
  • Evitar acúmulo de lixo orgânico, entulhos e materiais de construção;
  • Manter limpos os entornos de escritórios, residências, paióis e celeiros;
  • Combater a proliferação de insetos que servem de alimento para os escorpiões (baratas e cupins);
  • Examinar calçados e roupas pessoais, de cama e banho, antes de usá-las;
  • Preservar predadores naturais como seriemas, corujas, sapos, lagartixas e galinhas;

EM CASOS DE ACIDENTES

O que fazer:

  • Limpar o local com água e sabão;
  • Procurar orientação médica imediata mais próxima do local da ocorrência do acidente;
  • Se for possível, capturar o animal e levá-lo.

O que não fazer:

•Não amarrar ou fazer torniquete;

•Não aplicar nenhuma substância sobre o local;

•Não fazer curativos que fechem o local;

•Não cortar, perfurar ou queimar o local;

•Não dar bebidas alcoólicas ao acidentado.

Fonte: http://portalsaude.saude.gov.br/

Darcy Mendes Darcy Mendes (782 Posts)

Técnico em Segurança do Trabalho, graduado em Gestão Ambiental e especialização em Prevenção e Combate a Incêndio. Nas horas vagas sou músico e professor de violino!!!


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você é um robô? *