A segurança e saúde no trabalho e as mulheres

Baixe o arquivo  que está no final do texto

A segurança e saúde no trabalhoO que fazer para melhorar a segurança e saúde no trabalho em relação às atividades das mulheres

Do ponto de vista biológico, homens e mulheres não são iguais e as atividades que desempenham, bem como as condições de trabalho e a forma como são tratados pela sociedade, também se diferem. Sendo assim, a segurança e saúde no trabalho e as mulheres, é um tema que pretendemos tratar neste texto.

Essas diferenças podem significar muito em relação aos afetar os perigos com que se deparam homens e mulheres no trabalho, bem como a forma de os avaliar e controlar. É necessário estar atento sobre questões de SST que as mulheres enfrentam no trabalho, bem como a ações preventivas nesta área.

Diferenças que podem afetar a SST

Não é prática comum entre as empresas, o reconhecimento das práticas de segurança e saúde no trabalho, direcionado às mulheres.

Existem diferenças que afetam os riscos com que se deparam homens e mulheres. Mulheres:

  • Trabalho em setores específicos e tipos específicos de trabalho
  • Equilíbrio entre duas responsabilidade, no trabalho e em casa
  • Sub-representarão nos lugares de supervisão e de gestão
  • Diferenças físicas face aos homens, embora se observe muitas vezes uma maior variação entre mulheres do que entre homens e mulheres, por exemplo, no que diz respeito à força física
  • Trabalhos muitas vezes considerados, erroneamente, seguros e fáceis.

Muitas vezes, essas diferenças não são reconhecidas nas práticas de segurança e saúde. Além do mais, o volume de trabalho e os riscos relacionados com o estresse para as mulheres no local de trabalho são frequentemente subestimados. Em trabalho realizado pela EU-OSHA, o objetivo é de chamar a atenção para essas diferenças e contribuir para melhorar a SST nos aspectos que mais afetam as mulheres.

O que as entidades patronais podem fazer

Uma abordagem sensível ao gênero no domínio da SST implica reconhecer e ter em conta as diferenças entre os trabalhadores masculinos e femininos.

As entidades patronais podem:

  • Ter como objetivo tornar o trabalho mais seguro e mais fácil para todos;
  • Incluir as questões de gênero na avaliação de riscos;
  • Levar em conta o trabalho real e evitar identificar, com base em “achismos”, os que estão em situação de risco e porquê;
  • Admitir flexibilidade no horário de trabalho;
  • Envolver as mulheres na tomada de decisões relativas à SST.

Esta abordagem beneficia todos os funcionários, não apenas as mulheres.

OUTRAS INFORMAÇÕES

Veja no documento em anexo (para baixar clique na imagem ao final do texto):

Quadro de exemplos de perigos e riscos no chamado trabalho feminino;

Nesse quadro é apresentado uma lista setores de atividade com trabalhos femininos e os respectivos riscos biológicos, físicos, químicos e psicossociais.

Modelo para levar em conta a questão do gênero na avaliação de risco:

  • Questões-chave da avaliação dos riscos tendo em conta o gênero

– Etapa 1: Identificação dos perigos;

– Etapa 2: Avaliação dos riscos;

– Etapa 3: Implementação de soluções;

– Etapas 4 e 5: Acompanhamento e reavaliação

  • Medidas de carácter geral para promover uma gestão de SST tendo em conta o gênero.

Este texto foi baseado no trabalho realizado pela Agencia Europeia para a Segurança e Saúde no Trabalho.

http://agency.osha.eu.int

Darcy Mendes Darcy Mendes (783 Posts)

Técnico em Segurança do Trabalho, graduado em Gestão Ambiental e especialização em Prevenção e Combate a Incêndio. Nas horas vagas sou músico e professor de violino!!!


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você é um robô? *