Visitantes na fabrica pode ser um problema

Visitantes na fábrica pode ser um problemaÉ comum as fábricas receberem visitantes em suas instalações e quase sempre o departamento de segurança do trabalho está envolvido no acompanhamento aos visitantes. Pensando nisso resolvi escrever este texto baseado nas experiências que vivi no atendimento a visitantes.

Primeiramente precisamos definir quais os tipos de visitantes que poderemos receber:

VISITA ESCOLAR

É aquela em que alunos de escolas se candidatam ou são convidados a conhecer a fábrica (algumas fábricas têm programa de visitas escolares).

Esta pode ser dividida em duas categorias diferentes:

1 – Visita comum

  • É aquela em que os estudantes conhecem o processo fabril de forma geral.

2 – Visita específica

  • É aquela em que um grupo de alunos vem para conhecer um determinado processo da empresa.

VISITA TÉCNICA

É aquela em que uma pessoa ou mais irá visitar uma área  e/ou equipamento específico (cuidado com esses visitantes).

Esta também pode ser dividida em duas categorias diferentes:

1- Visita de fornecedores

  • São visitas para sanar dúvidas em relação a produtos, equipamentos e serviços que são ou serão prestados para sua empresa. Aqui temos os fornecedores fixos e os móveis.

2 – Visita de clientes

  • São clientes que querem conhecer de perto a fabricação do produto que está comprando (podem ser auditores).


PROBLEMAS COM VISITANTES

Para evitar problemas com visitantes, o primeiro passo é escrever um bom procedimento para receber e atender visitantes. Não fazer aqui um procedimento, mas no mínimo, esse documento deve conter os tipos de visitas e as regras para cada uma. 

1 – Visita escolar comum

A empresa deve estabelecer a regra para receber esse tipo de visita, pois se não o fizer, acabará recebendo crianças de todas as idades (digo isso porque já passei por essa situação – 40 crianças de 7 a 9 anos e um Técnico de Segurança para acompanhar. É difícil segurar a garotada!!). 

Mas se vocês pensam que as crianças dão trabalho  estão enganados. Adolescentes podem ser bem piores!!! Certa vez atendi uma visita do antigo colegial e pasmem – havia alguns alunos bêbados. Uma delas eu tive que deixar no ambulatório e os outros três ficaram no ônibus. Não deixei entrar em nenhuma área produtiva. 

Problemas mais comuns com esse tipo de visitante:

  • Cabeça fora do ônibus;
  • Querem colocar a mão em tudo que vê;
  • Correria ao descer e subir no ônibus;
  • Brincadeiras durante a visita (você não vai conseguir ver tudo, mas o pessoal de área vê e ainda te critica);
  • Se perder durante a visita (já vi isso muitas vezes);
  • Passar mal por algum cheiro que só eles sentem ou por qualquer outro motivo;
  • Não usar os EPIs corretamente;
  • Não obedecer as sinalizações para pedestres

Esses são alguns dos problemas que você poderá enfrentar. Sem contar a questão do almoço; se for no restaurante da empresa a coisa pode ficar bem complicada. O ideal é que o almoço não coincida com o horário de pico do restaurante.

2 – Visita escolar específica

Neste tipo de vista os problemas são bem menores por se tratar de um grupo que vai por um interesse comum e normalmente tem a ver com algum trabalho do curso.  Tende a ser um grupo menor, porém não é regra. Já atendi esse tipo de visitantes onde havia um ônibus lotado de universitários).

Problemas mais comuns com esse tipo de visitante:

  • Local para atender os visitantes na área (não dá para explicar um processo produtivo ao lado de uma máquina, pois geralmente há ruídos que atrapalham a comunicação). Vale lembrar que todos querem entender o que está sendo explicado.
  • Sanitários (pode ser que não tenha sanitários masculino e feminino na área);
  • Passar mal por algum cheiro que só eles sentem ou por qualquer outro motivo;
  • Uso de EPI específico (proteção respiratória pode ser um problema);
  • Tempo de permanência no local.

3 – Visita técnica de fornecedores

Por se tratar de visitas requeridas por alguém da área, pode ser que você nem fique sabendo e é aí que os problemas aparecem. Lembre-se: visita técnica é só para visitar! Certa vez liberamos um visitante como visita técnica e quando fomos ver, ele estava em cima da máquina todo sujo de graxa!!

Problemas mais comuns com esse tipo de visitante:

  • Adentrar à área fabril sem acompanhante;
  • Interferir em algum processo ou máquina (isso não é visita técnica e deve ser tratado de outra forma);
  • Não usar os EPIs corretamente;
  • Falar que vai em uma determinada área e acaba indo em outras sem a devida autorização;
  • Entrar com veículo próprio (esse é um problema fácil de ser evitado).

4 – Visita de clientes

Este tipo de visita raramente dá problema para a segurança. 

Problemas mais comuns com esse tipo de visitante:

  • Não usar os EPIs corretamente;
  • Adentrar em áreas restritas;

CONCLUSÃO

Conforme citei no início do texto, isso é baseado em minhas experiência e, portanto, pode ser que não se aplique na sua empresa ou que esteja faltando alguma coisa. Sendo assim, sempre deixo em aberto para possíveis sugestões.

Receber um visitante não é tarefa fácil e devemos fazê-lo de forma que este saia da nossa empresa com uma visão positiva do negócio. Atender bem, ser paciente, simpático e, principalmente saber responder aos questionamentos é imprescindível para o anfitrião. Independente dos problemas que por ventura ocorra, o visitante nunca deve ser maltratado. 

Reforço a questão do procedimento, pois é este que vai nortear todo o processo para que a visita transcorra de forma tranquila e segura!

Não esqueçam de comentar!!!!

 

Gostou deste artigo?

Então inscreva-se GRÁTIS para receber todas as novidades no seu e-mail!

Coloque seu email abaixo e clique em Assinar

 

Darcy Mendes Darcy Mendes (772 Posts)

Técnico em Segurança do Trabalho, graduado em Gestão Ambiental e especialização em Prevenção e Combate a Incêndio. Nas horas vagas sou músico e professor de violino!!!


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você é um robô? *