Segurança do trabalho x Segurança patrimonial

Compartilhe
Share on FacebookShare on Google+Share on LinkedInPin on PinterestTweet about this on Twitter

Você sabe me dizer a diferença entre Segurança do Trabalho e Segurança patrimonial?

Calma pessoal! Não fiquei louco, não! 

Todos nós (prevencionistas) sabemos muito bem a diferença entre Segurança do trabalho e Segurança patrimonial, mas convenhamos, tem um monte de gente que não sabe!segurança do trabalho x segurança patrimonial

Sabe quando alguém pergunta o que você faz e aí você responde: __Sou técnico de segurança!

O cara vai logo complementando:

__Nossa! Eu tenho um parente que também é guarda (ou vigia)!

Já percebeu que o assunto de hoje é só para descontrair, né?!!

Pois é!!

Pior é quando você resolve terminar a nomenclatura da profissão: 

__Não, não! Eu sou Técnico de Segurança do Trabalho! Aí a coisa se complica, porque a próxima pergunta é:

__E o que faz um Técnico de Segurança do Trabalho? É melhor ter uma boa resposta, pois a pessoa pode não entender e aí você terá que explicar nos míiiiinimos detalhes!

Bem, se você está lendo este texto e também não sabe, então eu recomendo a leitura do texto abaixo (mesmo que saiba, pode ler também, pois é bem interessante):

O QUE O PESSOAL DE SEGURANÇA DO TRABALHO FAZ?

Na verdade, existe uma ligação entre as duas áreas e tem muitos técnicos que também respondem pela área de segurança patrimonial. Não vejo nenhum problema nisso, desde que não interfira nas atividades como Técnico de segurança.

Nossa profissão é realmente diferenciada e nos proporciona momentos difíceis de enfrentarmos, mas por outro lado, não são poucas as vezes em que nos divertimos fazendo aquilo que gostamos, devido às situações por quais passamos. 

É por essas e outras que já estou a quase vinte e oito anos nessa área e ainda não me cansei. Não existe rotina em nossa área. Cada dia é uma coisa diferente.

Bem, por hoje é só! Qualquer dia escrevo sobre algumas situações inusitadas que passei em minha carreira!

Só para constar: eu também tenho curso de Supervisor de Segurança Patrimonial!!

Depois de assistir o video abaixo e vajam o quão difícil pode ser a vida de um vigilante!

Abraços!!

Calculando o custo de um acidente – baixe a planilha

Compartilhe
Share on FacebookShare on Google+Share on LinkedInPin on PinterestTweet about this on Twitter


Veja como calcular o custo de um acidente

Calcular o custo de um acidente não é nenhum bicho de sete cabeças, mas pode ser muito trabalho.  As variáveis diferem de um caso para outro e isso torna o processo um tanto moroso. No entanto, é possível fazer um cálculo simples em questões de minutos. Para isso, basta apenas lançar alguns dados em uma planilha previamente preparada e num piscar de olhos, temos o custo calculado.

Para quem tem custo de um acidenteinteresse em se aprofundar no assunto, eu recomento a leitura desse artigo:

O custo dos acidentes e doenças do trabalho no Brasil

Você também pode baixar a apostila:

Estimar o custo dos acidentes e problemas de saúde relacionados com o trabalho 

A planilha que estou disponibilizando é bem simples e pode ser adaptada à sua necessidade!

BAIXE A PLANILHA PARA CÁLCULO DE CUSTO DE UM ACIDENTE

Download grátis

Se você quiser aprender como fazer os cálculos, então leia o texto anexo, clicando AQUI.

Check list para furadeira radial – download

Compartilhe
Share on FacebookShare on Google+Share on LinkedInPin on PinterestTweet about this on Twitter

Baixe o check list para furadeira radial

Amigos prevencionistas, seguindo com a filosofia de facilitar a vida de todos de forma rápida e simples, estou disponibilizando um modelo de check list para furadeira radial.

O link é direto e basta clicar na imagem abaixo e o arquivo será baixa imediatamente e sem enrolação!!!

Para quem trabalha em usinagem esse é um check list obrigatório, mas teremos ainda muitos outros que postarei em breve.

check list para furadeira radial

Os hábitos antigos x a prevenção de acidentes

Compartilhe
Share on FacebookShare on Google+Share on LinkedInPin on PinterestTweet about this on Twitter

Veja como os hábitos antigos interferem na prevenção de acidentes

Entre as principais barreiras que interferem na percepção de riscos estão os hábitos antigos. No entanto, conhecer essas barreiras é importante para que possamos identificar corretamente aquelas que merecem uma atenção maior.Os hábitos antigos x a prevenção de acidentesTIPOS DE BARREIRAS

Psicológica

  • Problemas pessoais;
  • Stress;
  • Ansiedade;
  • Pressa;

Fisiológica

  • Limitações físicas;
  • Sono, cansaço;
  • Estado físico, doenças.

Cognitiva

  • Não sabe do risco;
  • Não foi treinado;
  • Não lembra do treinamento;
  • Dificuldade de compreensão.

Social

  • Hábitos antigos;
  • Falta de experiência/habilidade;
  • Excesso de experiência/Alta autoconfiança;
  • Processo inadequado;
  • Não concorda com os procedimentos;
  • Procedimentos desatualizados;
  • Horas extras;
  • Instalações inadequadas;
  • Ferramentas/equipamentos inadequados
  • Exemplo de colegas;
  • Exemplo de líderes;
  • Prioridade à produção.

Hoje trataremos especificamente dos hábitos antigos, por se tratar de uma barreira que tem grande impacto na percepção de risco nas empresas que estão em uma cultura de segurança dependente.

Mudar hábitos antigos exige muito trabalho, paciência e muitas vezes, decisões administrativas difíceis, pois normalmente são funcionários com vários anos de empresa que se enquadram nessa categoria.

Como mudar os hábitos antigos

Não existe uma fórmula mágica para isso! Enquanto alguns mudam de comportamento rapidamente, outros dependem de um trabalho de persuasão bem mais demorado.

Após identificar os empregados que apresentam esse comportamento, temos que dedicar um tempo para orientá-los, utilizando-se de ferramentas educativas. Porém, devemos tomar cuidado para não ser coniventes com situações de risco iminente. Se perceber que não está funcionando, passamos a utilizar de ferramentas administrativas, ainda de forma branda. Em uma terceira etapa, passamos para a fase punitiva e por fim, se a mudança não ocorrer, é melhor demitir o empregado, antes que ele passe a influenciar os outros, ou venha a sofrer um acidente.

O fato de ser um trabalhador com muitos anos de empresa, leva o mesmo a cometer desvios conscientes e também inconscientes, levado por maus hábitos que sempre foram tratados como normais. A partir do momento que passam a ser cobrados da mudança de comportamento, rapidamente assumem posturas autodefensivas e que merecem todo cuidado quanto à forma de tratamento da situação para que não se transforme em um caso pessoal. Devemos sempre nos lembrar que o nosso problema é o evento e não a pessoa.

FERRAMENTA QUE PODE AJUDAR A IDENTIFICAR AS BARREIRAS

A Observação de Riscos no Trabalho é uma ferramenta excelente para a identificação das barreiras. Para isso é importante a formação da equipe que irá atuar nas observações. Só assim a ferramenta será aplicada de forma eficaz. 

Existem muitos treinamentos ou consultorias específicas sobre o Comportamento Seguro com a aplicação da ORT. Se você ainda não conhece, basta uma rápida pesquisa no google para identificar várias empresas especializadas no assunto.

Trabalho com essa ferramenta há vários anos e posso dizer que estou bastante satisfeito com os resultados. Por ser educativa, a ferramenta, ao mesmo tempo em que nos permite identificar as barreiras, também orienta quanto às soluções para as barreiras.

FINALIZANDO

O assunto é bastante extenso e em outra oportunidade falarei mais sobre o tema, mas entendo que tratar os hábitos antigos é difícil e demanda tempo. Porém, os resultados aparecem na medida em que acompanhamos de perto a evolução da segurança, saindo de uma cultura dependente e evoluindo para uma cultura de interdependência, onde todos entendem e praticam a segurança para si e para os outros também.

Se você gostou do texto, deixe seu comentário, sugestões, críticas, etc…

Segurança do Trabalho: saiba mais sobre esse curso‬

Compartilhe
Share on FacebookShare on Google+Share on LinkedInPin on PinterestTweet about this on Twitter

Segurança do Trabalho: saiba mais sobre esse curso‬Este é um artigo oferecido pelo JobTonic.com.

Veja mais sobre um dos cursos mais cogitados do mercado.

 Mais sobre o curso

O curso de Segurança do Trabalho é um dos cursos que mais tem empregado nos últimos anos e anualmente forma milhares de novos profissionais. O curso técnico em Segurança do Trabalho tem como principal objetivo formar uma gama de profissionais para atuar na prevenção de acidentes e no apoio à saúde dos trabalhadores de uma empresa Esse curso tem nível médio e, nele, o estudante poderá aprender como garantir a segurança no ambiente de trabalho e minimizar quaisquer riscos que possam afetar a saúde da equipe.

Entre todos os temas estudados estão: as normas e leis sobre a segurança no trabalho, o uso de Equipamentos de Proteção Coletiva (EPC) e Equipamentos de Proteção Individual (EPI), princípios de higiene e saúde do trabalho, Programas de Prevenção de Riscos Ambientais (PPRA) e métodos para identificar, analisar e adotar medidas de controle a fim de prevenir possíveis riscos ambientais e preservar a segurança na realização das funções.

Segurança do Trabalho: saiba mais sobre esse curso e cadastre-se em jobtonic para poder encontrar vagas de emprego disponíveis em todas as regiões do Brasil.

Como funciona o curso?

O curso de Técnico em Segurança do Trabalho pode ser estudado em escolas em todo o Brasil, tanto na modalidade presencial como a distância. Para poder se inscrever no curso é preciso ter concluído o ensino básico. Dependendo da escola, pode ser ainda exigido uma idade mínima, que varia entre 16 e 17 anos. Outras escolas aceitam somente alunos do 2º ano ou que já tenham concluído o Ensino Médio. O curso possui três diferentes modalidades:

Integrada: nesse primeiro formato, o estudante precisa apenas matricular-se no curso, que integra todo o conteúdo sobre o tema com os cursos do Ensino Médio.

Concomitante: já aqui, o curso técnico será um complemento a mais do Ensino Médio e, por esse motivo, será preciso realizar duas diferentes matrículas.

 Subsequente: é destinado a quem já concluiu sua formação no Ensino Médio e está em busca de uma qualificação mais completa para atuar no mercado.

Grade curricular e perfil profissional

A carga horaria mínima desse curso é de: 1.200 horas/aulas e em algumas escolas o período de estudos pode corresponder a 3 semestres ou a até mesmo 3 anos.

Na grade curricular, pode ocorrer variação dependendo da instituição. As disciplinas que mais estão presentes em um curso desse porte são: desenho técnico, doenças ocupacionais, legislação, ergonomia, meio ambiente e qualidade de vida, sistemas de segurança e saúde no trabalho, prevenção e controle de riscos e tecnologias de prevenção e combate a incêndio e o suporte emergencial à vida dos trabalhadores. Esse profissional pode atuar em ações de prevenção; identificar e adotar medidas que minimizem riscos; orientar sobre o uso de equipamentos de proteção; investigar e analisar acidentes; e desenvolver ações educativas, entre muitas outras atividades relacionadas à profissão.

Mercado de trabalho para esse profissional

Com formação em Segurança no Trabalho, o profissional raramente ficará sem emprego, uma vez que a própria legislação exige das organizações a contratação de profissionais formados nesse curso. O técnico em Segurança no Trabalho pode atuar em sindicatos e entidades de classe, representantes de equipamentos de segurança, estabelecimentos comerciais ou na própria indústria (setor privado e público). Vale lembrar que esse curso é de nível médio. Para quem tiver interesse, os cursos superiores de Tecnólogo em Segurança no Trabalho são oferecidos por diversas faculdades espalhadas pelo território brasileiro.